domingo, 21 de junho de 2009

Caçulas paulistas têm início surpreendente

Quando um Campeonato Brasileiro está para começar, é natural apontarmos favoritos ao título, Libertadores e rebaixamento. E também é natural que figurem na lista de possíveis rebaixados as equipes recém-promovidas à Série A (com pouquíssimas exceções, especialmente os clubes grandes). Indo nesta linha, Santo André, Barueri e Avaí seriam candidatos ao descenso. Continuam sendo, mas é inegável que o começo da dupla paulista é animador.

Curiosamente as equipes estão praticamente idênticas no campeonato. O estreante na Primeira Divisão, Barueri, é o 7º, com 10 pontos, mesma pontuação do time do ABC paulista, que está em 8º. Os dois perderam apenas uma vez em sete rodadas (justamente na 3ª), têm duas vitórias e quatro empates. A única diferença está no ataque: enquanto o Barueri marcou 13 gols, o Santo André fez 12.

Aliás, o grande nome do time baruerense está na linha de frente. É Pedrão, que com os dois gols marcados na vitória de 4 a 2 sobre o Cruzeiro, chegou aos 6 no Brasileirão e assumiu a artilharia. Ele já havia se destacado no Paulista deste ano, quando também foi o artilheiro, com 16 gols. Seu companheiro de ataque, Fernandinho, também tem feito ótimas partidas, com muita habilidade e velocidade nas jogadas pelas pontas. O triunfo no Mineirão foi ainda mais importante, pois representou a queda de uma invencibilidade da equipe celeste no estádio. Desde 14 de setembro do ano passado que o Cruzeiro não perdia em casa. Motivo de sobra para a comemoração do Barueri, apesar dos mineiros terem atuado com um time misto.

O Santo André, em sua segunda participação na elite do futebol brasileiro (a primeira foi em 1984), também tem seu homem-gol. É Nunes, que já balançou as redes adversárias três vezes neste Brasileirão. Os muito experientes Marcelinho Carioca e Fernando dão a cadência necessária no meio-campo da equipe do ABC, que voltou a vencer neste sábado: 2 a 1 no Sport, com um gol aos 48 do segundo tempo, do zagueiro Marcel. E o treinador Sérgio Guedes vem mostrando qualidade no trabalho, ele que já havia levado a Ponte Preta ao vice-campeonato paulista em 2008.

Apesar de ainda estarmos no início do campeonato, chama a atenção a campanha destas equipes, que por enquanto deixam rivais muito mais tradicionais, como Botafogo e São Paulo, para trás. Resta saber se serão apenas fogo de palha ou se terão fôlego para continuar neste ritmo e sonhar até com uma vaguinha na Sul-Americana.

Rapidinhas da Rodada:

- Djalma Beltrami se supera a cada jogo. Desta vez ele encerrou a partida Santos 2 x 3 Atlético-MG por duas vezes. Depois de dar 4 minutos de acréscimo, ele acabou o jogo aos 47. Os santistas reclamaram e ele, simplesmente, reiniciou o confronto. Aos 50 (não eram 4 minutos???), Molina marcou o gol de empate, mas Beltrami anulou, marcando uma falta de Kléber Pereira que só ele viu. E esse tipo de árbitro ainda é escalado. Palmas para a Comissão de Arbitragem.

- O Galo, aliás, segue firme na liderança. Virou o jogo na Vila, com mais uma grande atuação de Diego Tardelli, e chegou aos 17 pontos, três a mais do que o Inter.

- O Colorado, com time misto, tomou uma sapatada do Flamengo no Maracanã. O Rubro-Negro voltou a jogar bem, dominou a partida e contou com belíssima atuação de Adriano, que fez três, sendo os dois primeiros com muita categoria.

- Outro erro grotesco de arbitragem: anularam um gol lindo, de voleio, de Obina, na partida do Palmeiras contra o Atlético-PR, sábado, na Arena da Baixada. Como pode alguém marcar impedimento em lance tão fácil de se enxergar? E logo do simpático atacante baiano...

- Um dado curioso: das 6 partidas do sábado, 5 tiveram seus resultados definidos após os 44 minutos do segundo tempo. Quanta emoção!

- Que chute acertou o Léo Gago! Me.. Me... Meu Deus!

Um comentário:

daniel disse...

mas o que esperar de um árbitro como djalma beltrami?
ele "só" foi o árbitro da batalha dos aflitos