quinta-feira, 17 de setembro de 2009

Alívio alvinegro

Antes de mais nada, peço desculpas pelo atraso no post, mas mais uma vez só consegui tempo para postar agora. Então vamos ao que interessa:

Foi do jeito que todo botafoguense está acostumado. Mas foi e isso que importa. Mesmo sem realizar uma boa partida, mas mostrando muita garra e força de vontade, o Alvinegro derrotou o Atlético-PR por 3 a 2, no Engenhão, e se classificou para as oitavas de final da Copa Sul-Americana. A equipe enfrenta agora o Emelec, do Equador.

A vitória de ontem foi muito importante não só pela classificação, mas principalmente por quebrar alguns tabus que incomodavam. O Botafogo não vencia há 10 jogos, oito deles sob o comando de Estevam Soares, que finalmente conseguiu seu primeiro triunfo, desde que assumiu a equipe. O técnico, até então ameaçado, ganha um pouco mais de tranquilidade no emprego. Para completar, dá mais moral ao grupo no Campeonato Brasileiro, em 18º lugar com 24 pontos. O próximo compromisso é diante do Santos, na Vila Belmiro. Difícil, mas não impossível, já que o time paulista é irregular.

A classificação, porém, não pode mascarar os problemas da equipe. O primeiro ficou evidente nesta quarta. Castillo não pode ser titular no gol. O uruguaio falhou nos dois gols do Furacão e protagonizou outros lances dignos de circo. Quase entregou a passagem para a fase seguinte. O goleiro não passa confiança alguma aos seus companheiros e, especialmente, à torcida. Menos mal que Castillo só foi o titular porque Jefferson não estava inscrito na competição. O outro problema é a apatia de Alessandro, que parece sempre desligado do jogo. Os alvinegros já perderam a paciência há tempos e a efetivação de Thiaguinho na ala direita deve ser imediata.

No ataque, André Lima se faz notar mais pelos atos efusivos em campo (como o fato de ter se ajoelhado na entrada da área no penalti de Lucio Flavio; e se o camisa 10 erra a cobrança? Provavelmente ele não poderia aproveitar o rebote), do que pelos gols ou pela participação no jogo. E isso dificulta, tanto é que ontem foi preciso que jogadores com obrigações mais defensivas fossem a frente marcar os gols (Gabriel e Wellington).

Porém, temos pontos a destacar também. Além do esforço, Jonatas deu maior qualidade ao meio-campo e o time ficou mais leve apenas com Leandro Guerreiro de volante. A zaga, apesar de ter sido vazada, está mais segura. E Reinaldo voltou a jogar bem na frente. Ontem foi mais incisivo e até arrancada deu, lembrando os velhos tempos.

Enfim, o Botafogo não tem um ótimo time, mas com certeza não é equipe para ficar 10 jogos sem vencer e ocupar a 18ª colocação no Brasileiro. Talvez o jejum de vitórias tenha influenciado a confiança da equipe. Agora, mais leve, a tendência é melhorar.

Harlei salva o Goiás

No Serra Dourada, o Goiás sofreu para eliminar o Atlético-MG, que atuou com uma equipe praticamente reserva. Depois de empatar em 1 a 1 no Mineirão, o Esmeraldino precisava de um 0 a 0 ou apenas uma vitória simples para avançar. Mas correu riscos e quase foi eliminado. Junior abriu o placar para o Galo, mas Felipe, de penalti, empatou. Nos penaltis, brilhou a estrela do experiente goleiro Harlei, que defendeu duas cobranças e garantiu a vitória por 6 a 5. Na próxima fase, o time goiano encara o Cerro Porteño, do Paraguai.

A nota triste ficou para a lamentável declaração de Helio dos Anjos ao final do jogo, afirmando com todas as letras que não trabalha com homossexuais. Mostrou todo o seu preconceito. Uma pena.

2 comentários:

Júnior Maurell disse...

É amigo! O Hélio tem se superado nas declarações. Quando vejo a imagem dele na telinha, a primeira coisa que vem na cabeça é a lembrança de um militar bem carrasco dos anos de chumbo no BRASIL. Depois de falar que odeia os goianos que torcem pelos times do sudeste, agora ele não trabalha com homosexuais. Vou lançar uma sugestão para os companheiros de Blog( Felipe e Victor) no próximo PaB - Mesa Redonda vamos lançar o troféu Hélio dos Anjos para o pior jogador do fim de semana ?

Felipe Vasconcellos disse...

hahahahaha Boa. Troféu Helio Bolsonaro dos Anjos